A Red Eléctrica publicou um guia para estender o pastoreio como uma alternativa mais sustentável para controlar a vegetação em baixo de linhas de energia e outras infraestruturas
• O guia, que pode ser descarregado no site da Red Eléctrica, serve de apoio a empresas como, explorações de gado, escolas de pastores e administrações públicas interessadas em replicar esta solução em espaços naturais atravessados por algum tipo de infraestrutura.
• O pastoreio em RED é um instrumento de prevenção de incêndios, melhoria da biodiversidade e apoio à pecuária extensiva, que fornece áreas de pastagem e rendimento adicional para os responsáveis das explorações.

O Grupo Red Eléctrica publicou um guia prático para estender a outros territórios e instalações a experiência piloto que está a ser desenvolvida em Calahorra (La Rioja) sob o nome de Pastoreo en RED e que consiste em controlar a vegetação localizada sob as linhas de transmissão de energia elétrica por meio da pecuária extensiva. O objetivo do guia é dar suporte a essas empresas, explorações pecuárias, escolas de pastores e administrações públicas interessadas em replicar esta solução em espaços naturais atravessados por algum tipo de infraestrutura.

O Guia Prático de Pastoreio em RED resume os resultados do projeto, no qual um rebanho de 400 ovelhas realiza a manutenção da vegetação sob a linha de energia Quel-La-Serna, que atravessa o monte de Los Agudos. A iniciativa, gerida pela empresa agroambiental Rioja Agrovidar e com o apoio do Governo de La Rioja e da Câmara Municipal de Calahorra incorpora inovação tecnológica no pastoreio: a fiscalização do estado da biomassa é feita com drones e o rastreio das ovelhas é feito por coleiras GPS.

Pioneiro na Espanha, o projeto recebeu uma menção especial nos Good Practice Awards 2021 da plataforma Renewables Grid Initiative por ser uma solução sustentável com impacto positivo a nível social e ambiental; e a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) está a avaliar a sua classificação como solução baseada na natureza.

“Uma das ambições do Grupo red Eléctrica é converter linhas de energia em ferrovias de cremalheira de biodiversidade, ou seja, que além de luz e dados – eletricidade e telecomunicações – as nossas instalações possam ser corredores ecológicos para ajudar a resolver um dos problemas do meio ambiente espanhol: a fragmentação dos habitats”, explica Beatriz Corredor, presidente do Grupo Red Eléctrica.

Corredor acrescenta: “As ruas onde passam as linhas de energia devem ser limpas e acessíveis para a manutenção adequada da própria rede de transporte e para evitar incêndios. Se em vez de utilizarmos meios químicos ou mecânicos para controlar a biomassa nos aliarmos às formidáveis máquinas biológicas que são as ovelhas, vacas, cabras…, obtemos notáveis benefícios para o ecossistema.”

A este respeito, a Presidente do Governo de La Rioja, Concha Andreu, afirma: “O Governo de La Rioja e a Red Eléctrica estabeleceram uma aliança para alcançar um inegável benefício comum: transformar as instalações elétricas em todo o território da comunidade autónoma em corredores. Assim, geram-se oportunidades de desenvolvimento sustentável no território ligado aos recursos endógenos, lutamos pela coesão territorial, mas também avançamos na transição energética e no combate às alterações climáticas. Não há desafio com maiores implicações para as nossas condições de vida a médio e longo prazo do que a proteção ambiental.”

Benefícios medidos pela Universidade de Alcalá de Henares

Pastoreio em RED surge como a alternativa mais sustentável para limpar as “ruas de segurança” sob as linhas de rede de transporte em áreas florestais onde o desenvolvimento das árvores deve ser controlado para que não atinja os cabos condutores. Normalmente, esses trabalhos de poda e corte são realizados com máquinas, mas o pastoreio recorrente tem se mostrado ideal para esse fim devido ao efeito da ingestão da vegetação pelos animais, ao pisoteio e descanso, isto é, o tempo que permanecem deitados, e do rebanho, a matéria orgânica que deixam para trás. Com a passagem continuada do gado, a composição das espécies vegetais é modificada, pois quando os ovinos consomem os brotos do mato, enfraquecem o seu vigor e a sua capacidade de rebrotar, enquanto estimula o aparecimento de vegetação herbácea mais comestível.

O trabalho dos animais tem um impacto favorável no ecossistema: aumenta a biodiversidade da flora e da fauna, especialmente artrópodes e polinizadores, e melhora a capacidade de infiltração e retenção de água e nutrientes do solo; como mostra um estudo da Universidade de Alcalá de Henares realizado no projeto La Rioja.
Ao mesmo tempo é um instrumento de apoio ao setor da pecuária extensiva, pois fornece áreas para pastagem, diversificando a dieta do gado e reduzindo a sua dependência de ração e forragem, além de fornecer uma fonte adicional de rendimento para os proprietários de explorações de gado.

Para aceder ao Guia, em espanhol, clique AQUI

Clique AQUI para aceder a notícia original.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.